27 de dez de 2007

A Casa Popular Sustentável desenvolvida pela UFRGS



DETALHES DA FACHADA


Localizada no campus do Vale, na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), em Porto Alegre, a casa de 46 metros quadrados (dois quartos, sala, cozinha e banheiro) foi planejada levando em conta conceitos de sustentabilidade e padrão de qualidade muito superiores ao normalmente encontrados em moradias populares. A coordenação do projeto é do professor Miguel Aloysio Sattler, integrante do Núcleo Orientado à Inovação na Edificação (Norie), que desde 1993 vem pesquisando a área de edificações e comunidades sustentáveis. O Norie está vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil da UFRGS.


A pequena casa está permitindo o estudo, o projeto e a aplicação de técnicas construtivas em que as condições ecológicas e bioclimáticas são prioridade. Não deixa de considerar, no entanto, questões de custo. Em termos de arquitetura bioclimática, por exemplo, a construção aproveita estudos de orientação solar e dos ventos para beneficiar o conforto térmico. A parte externa da casa conta com pergolados, que são estruturas de madeira usadas para dar suporte a espécies vegetais caducifólias, que perdem as folhas no inverno, propiciando maior entrada da radiação solar, e estão com folhas no verão, criando um ambiente sombreado. O teto possui forro duplo para manter o calor no inverno, com circulação de ar para auxiliar o resfriamento do telhado no verão.


A proposta também inclui soluções simples, como a utilização de fogão a lenha para cozinhar e ao mesmo tempo aquecer o ambiente e água em dias frios. O referencial teórico usado na concepção do projeto também leva em conta conceitos da permacultura, que busca uma integração harmoniosa e sustentável entre o ambiente, as pessoas e suas necessidades de habitação, alimentação e energia, entre outras.

Dentro desse princípio, o material escolhido foi o tijolo de cerâmica, produzido em praticamente todo o Rio Grande do Sul. “O ideal em uma construção que busca ser sustentável é a utilização de materiais locais, que não exijam grandes distâncias de transporte e que gerem empregos e renda no local na construção”, explica o professor Sattler. Todas as esquadrias de portas e janelas são de eucalipto, tratadas com produtos não tóxicos. Foi utilizado para prevenir o ataque de cupins um produto a base de óleos essenciais extraídos de plantas da Amazônia.


Para proteção contra a umidade, foi usado óleo de linhaça cozido, cuja eficiência está sendo estudada em uma tese de doutorado em realização no NORIE. Na linha de reaproveitamento de materiais, dentro do forro há uma lâmina refletora alumínio, que recicla chapas de alumínio de fotolitos e funciona como uma barreira à passagem de calor. O protótipo está sendo equipado com coletores de água da chuva para utilização no vaso sanitário e irrigação do jardim. Um sistema de tratamento de esgotos também está em implantação no próprio local. O sistema de esgotos separa as águas negras (do vaso sanitário) das águas cinzas (as demais águas residuárias geradas na construção). Cada uma delas é tratada separadamente. As águas negras, por exemplo, passam por um digestor e depois por um filtro anaeróbico. Então se juntam às águas cinzas, que passaram por uma caixa de gordura. Em seguida as águas são conduzidas a um canteiro, composto por um filtro de solo e agregados miúdos, sobre o qual são cultivadas plantas. As raízes dessas plantas buscam os nutrientes necessários à vegetação no afluente ao canteiro e, com isso, depuram ainda mais as águas originalmente negras. Finalmente, o efluente do canteiro é conduzido a um pequeno espelho d´água, onde plantas aquáticas fazem o ´polimento´ final das águas residuárias. A tecnologia está sendo desenvolvida com apoio do Programa de Pesquisa em Saneamento Básico (Prosab).

Ainda estão por ser executadas as instalações de água quente (do coletor solar e as ligadas ao fogão à lenha) e fria, com os respectivos equipamentos (chuveiro, bacia sanitária, tanque de lavar roupa, pia da cozinha). O pé-direito elevado do protótipo também permitirá a construção de dois ´mezaninos´, um na sala e outro no dormitório voltado para Norte, cada um com aproximadamente oito metros quadrados. Estas extensões serão iluminadas e ventiladas pelas janelas superiores, existentes na fachada Norte do protótipo. O coordenador do projeto, professor Miguel Sattler, acredita que os componentes da casa criam um novo paradigma para a habitação popular. Construído com recursos da Caixa Econômica Federal e da Finep, o protótipo iniciou com recursos de R$ 20 mil, boa parte dos quais foram investidos em mão-de-obra qualificada – de modo a não comprometer a função demonstrativa do protótipo. Em materiais foram gastos aproximadamente R$ 8.650,00, e outros investimentos continuam sendo feitos. No entanto, este valor possibilita a construção de uma casa de 46 metros quadrados (o que representa aproximandamente ¼ do CUB, para materiais).

fonte: Revista Habitare

Um comentário:

Daniela disse...

Bom dia!
Esta casa pode ser comercializada? Se eu quisesse ter uma dessas num terreno de praia, poderia contar com o projeto?
Obrigada.