20 de abr de 2008

Certificação - A Classificação dos Prédios Verdes

foto: Primeiro prédio verde em Dubai


Qual critério empreendedores, incorporadores, construtoras, arquitetos e outros profissionais
de projeto seguem para obter oselo “verde” para seus projetos?


No Brasil, essa base de comparação carece de um fundamento estritamente nacional, tanto que o arquiteto Edo Rocha lançou-se ao desafio de escrever um livro com os parâmetros nacionais que deverá balizar a qualificação de “inteligente” para os projetos brasileiros.


Na falta de uma “estampa” própria e de uma entidade oficial que a conceda, serve de referência
o Leadership in Energy & Environmental Design (Leed), sistema de avaliação e certificação
para construção sustentável utilizado, principalmente nos EUA e Canadá, concedido pelo United States Green Building Concil (USGBC), entidade que desenvolveu e administra o Leed.

O documento é levado tão a sério mundialmente que 4.100 profissionais dos 50 estados americanos e de outros 27 países estiveram reunidos em Austin, Texas (EUA), para discutir o tema na primeira conferência internacional sobre Green Buildings (The First Annual International Green Building Conference & Expo Austin TX – USA 2002), realizada entre 12 e 17 de novembro de 2007. O evento foi promovido pelo USGBC.

O engenheiro e consultor Luiz Amaro Páschoa da Silva, que esteve presente ao encontro, traduziu o check-list usado pelo Leed. “O Leed é um rating system que se encontra
na versão 2.0 e que certifica edifícios comerciais, institucionais e residenciais. A próxima versão, a 3.0, incluirá também edifícios existentes, conjuntos de edifícios, interiores e residências.


São possíveis 69 pontos, com a seguinte classificação: entre 26 a 32 (certificado), 33 a 38 (Silver), 39 a 51 (Gold), 52 a 69 (Platinum). A distribuição dos pontos acontece nesta
proporção: Planejamento Sustentável do Sítio (3D 22%), Água (8%), Energia e Atmosfera (27%), Materiais e Recursos Naturais (20%) e Qualidade do Ambiente construído (3D 23%)”, explica o consultor.


fonte: Ecoplano

Nenhum comentário: