6 de jul de 2008

Pirâmides: As Precárias Teorias Alternativas


AS PIRÂMIDES TERIAM SIDO CONSTRUÍDAS POR EXTRA-TERRESTRES?

Para muitos, o conhecimento obtido a partir dos estudos arqueológicos das pirâmides sobreviventes não parece ser convincente e inúmeras teorias mais criativas foram sugeridas ao longo dos anos. Estas teorias, em geral, baseiam-se na idéia de que os verdadeiros construtores das pirâmides foram extraterrestres ou membros de civilizações perdidas (como Atlântida). As justificativas empregadas pelos defensores destas teorias, dos quais os mais famosos são Erich Von Daniken e Zecharia Sitchin, incluem uma suposta impossibilidade de se construir aquelas estruturas com a tecnologia egípcia da época e a suposta existência de relações misteriosas entre as dimensões da Grande Pirâmide e constantes físicas ou matemáticas desconhecidas pelos egípicios.As seções anteriores deste artigo abordaram como os egípcios poderiam construir as pirâmides com sua tecnologia simples. É difícil fazer o mesmo com as teorias extraterrestres, já que estas não fornecem muitas informações a respeito das técnicas de construção que teriam sido utilizadas pelos alienígenas.

Escavações arqueológicas encontraram inúmeras gravuras dos egípcios usando suas ferramentas primitivas, bem como restos destas ferramentas, mas não se pode dizer o mesmo das "ferramentas" alienígenas. Se extraterrestres estiveram na Terra construindo as pirâmides, eles fizeram um bom trabalho de esconder seus rastros.

As teorias de Von Daniken, Sitchin e outros baseam-se principalmente em interpretações discutíveis de mitos antigos e não são levadas a sério pelos arqueólogos. Von Daniken acredita que a Terra tenha sido visitada regularmente por alienígenas, que seriam os deuses mencionados nos mitos e lendas de várias civilizações antigas ("Chariots of Gods: Unsolved Mysteries of the Past", disponível em português como "Eram os deuses astronautas"?). Sitchin defende uma teoria de que a raça humana (Homo sapiens) teria sido criada por engenharia genética através da combinação do DNA do Homo erectus com o DNA de uma raça alienígena habitante de um planeta ainda não descoberto no Sistema Solar. Esta raça teria criado o homem para trabalhar como escravo na mineração de ouro na Terra, eventualmente abandonando nosso planeta e deixando nossa raça para trás ("The Twelfth Planet"). As teorias egípcias destes autores podem ser encontradas em seus livros "The Eyes of the Sphinx: The Newest Evidence of Extraterrestrial Contact in Ancient Egypt", de Von Daniken e "The Stairway to Heaven (Earth Chronicles No. 2)" (disponível em português como "A escada para o céu"), de Sitchin. Outro nome de destaque neste campo é o de Edgar Cayce, que sustentava a teoria de que as pirâmides haviam sido construídas pelos habitantes de Atlântida. Segundo Cayce, os "atlanteanos" teriam migrado para o Egito por volta de 10.000 a.C., levando com eles as crônicas dos 40.000 anos de história de sua civilização. Estas crônicas estariam guardadas em uma pirâmide subterrânea ainda não descoberta, perto da Esfinge. As teorias de Cayce podem ser encontradas em um livro escrito por seu filho, "Mysteries of Atlantis Revisited".A localização e as dimensões da Grande Pirâmide são outra fonte de especulações. Robert Bauval, autor de "The Orion Mystery: Unlocking the Secrets of the Pyramids" sustenta a teoria de que as três pirâmides de Gizé foram construídas de forma a reproduzir a posição relativa das três estrelas do chamado cinturão de Órion, uma constelação que teria importância religiosa para os egípcios. Além disso, a posição das pirâmides em relação ao rio Nilo seria uma reprodução da posição daquelas estrelas em relação à Via Láctea. Mas o próprio Bauval percebeu que, devido à mudança das posições das estrelas no céu com o passar dos séculos, esta coincidência com o cinturão de Orion não existia na época da construção das pirâmides, mas sim por volta de 10.500 a.C. (8.000 antes delas serem construídas). A conclusão de Bauval: as pirâmides de Gizé foram planejadas oito mil anos antes de serem construídas! Neste caso, mais surpreendente que a capacidade dos egípcios de construir as pirâmides seria sua capacidade de arquivar seus projetos... Bauval prossegue então para várias conclusões a respeito de relações culturais entre Órion e deuses gregos, apesar de as e strelas em questão só terem sido grupadas no que chamamos de constelação de Órion pelos gregos, dois mil anos depois. Uma teoria mais simples para a posição relativa das pirâmides é apresentada por Derek Hitchins, que chama a atenção para o fato de que as pirâmides estão perfeitamente alinhadas, se ao invés de considerarmos suas diagonais, considerarmos os seus cantos. Segundo Hitchins, a localização das pirâmides estaria na verdade relacionada com sua visibilidade a partir do rio Nilo, por onde viajantes chegariam à região.

As dimensões da Grande Pirâmide fornecem especulações igualmente fracas. Uma boa análise destas teorias pode ser encontrada no livro "Fads and Fallacies in the Name of Science", de Martin Gardner. Dois tipos de teorias podem ser encontradas. O primeiro relaciona dimensões da pirâmide com distâncias astronômicas (distância da Terra ao Sol, diâmetro da Terra, etc) que seriam desconhecidas pelos egípcios. Estas distâncias teriam sido inseridas propositalmente no projeto pelos construtores reais das pirâmides. Mas como Gardner explica, qualquer estrutura complexa como a Grande Pirâmide fornece uma quantidade tão grande de medidas que, com um pouco de paciência, é sempre possível encontrar estas coincidências. Além disso, as medidas originais da Grande Pirâmide não são conhecidas com exatidão, bem como as unidades de medida usadas pelos egípcios, e diferentes pesquisadores apresentam diferentes valores. E os dados científicos aos quais elas são comparadas também fornecem múltiplas oportunidades. Por exemplo, a distância da Terra ao Sol não é constante, então podemos usar o menor valor, o maior valor, a média, o valor em uma determinada data simbólica, etc. Um exemplo bem humorado de como isto ser feito pode ser encontrado no site Humor na Ciência. Outro tipo de coincidência encontrada nas dimensões da Grande Pirâmide refere-se a constantes matemáticas como pi e a razão áurea. Mas mais uma vez, isto não é surpresa. Jim Loy mostra como estas constantes podem ser encontradas em praticamente qualquer pirâmide, com uma razoável exatidão. Por exemplo, em uma pirâmide que tenha a razão entre sua altura e a largura da base igual a 0,6 a razão entre sua altura e a diagonal da base será um quarto da razão áurea (e a razão entre a altura e a largura da base de uma de suas faces triangulares é igual a pi/4). No caso da Grande Pirâmide, que tem uma razão altura/largura da base igual a 0,636, o inverso desta razão é igual a pi/2.

CONCLUSÃO:

Por mais interessantes que sejam as teorias fantásticas sobre a construção das pirâmides egípcias, fica claro que não existe nada de inexplicável em sua existência. A forma piramidal é a mais simples para a construção de grandes estruturas e as pirâmides remanescentes mostram claramente a evolução técnica dos engenheiros egípcios. A Grande Pirâmide não é uma estrutura isolada, surgida misteriosamente do nada, e sim o resultado de gerações de aperfeiçoamento de técnicas simples de construção. Ainda que várias dúvidas persistam sobre os detalhes de sua construção, as teorias alternativas na verdade levantam mais perguntas do que respostas.Talvez por estarem acostumados às facilidades da tecnologia moderna, muitas pessoas tendem a achar que os povos antigos eram incapazes de feitos grandiosos com seus recursos técnicos limitados. Ao contrário, eles fornecem mais uma demonstração da inventividade e capacidade humana e é injustificável sugerir que os egípcios seriam incapazes de construir uma pirâmide sem a ajuda de extraterrestres, fadas ou outros seres fantásticos.

fonte: Site Projeto Ockham - A verdade está lá fora e é menos estranha do que você pensa

Um comentário:

###a.l.#### disse...

Um 2010 de sucesso!!!
A Oitava Praga
A invasão alienígena
Autor: Orácio Felipe
Descrição :
E se extraterrestres envenenassem nossa água e apenas eles dispusessem do antídoto? Estima-se que o universo conhecido tenha 100 bilhões de galáxias contendo aproximadamente 100 bilhões de estrelas em cada galáxia. Haveria vida apenas em nosso planeta? Certamente não. Podemos aprofundar um pouco a questão. Havendo vida em outros planetas essas vidas estariam inclinadas para o bem ou para o mal?
www.clubedosautores.com.br