3 de ago de 2008

A Inauguração da Pirâmide de Astana - Cazaquistão



Fotos: Inauguração Pirâmide da Paz

O dinheiro farto do petróleo alimenta a construção de Astana, a nova capital do Cazaquistão. O país é imenso (tem um terço do território brasileiro), escassamente povoado (15 milhões de habitantes), e sua economia cresce ao ritmo chinês de 9% ao ano desde 2000.

A prosperidade se deve sobretudo à exportação de petróleo, mas também às reformas econômicas, às boas colheitas e aos investimentos estrangeiros. Usufrui ainda estabilidade política, se é que se pode definir assim um regime autoritário e personalista.

Em 1991, quando a União Soviética enrolou a bandeira e o Cazaquistão se tornou independente, o chefão comunista Nursultan Nazarbaiev conservou o poder. Ele se reelege periodicamente e os oposicionistas que reclamam vão para a cadeia. A decisão de criar uma nova capital é, evidentemente, de Nazarbaiev.
A obra mais recente, inaugurada em setembro de 2006, é uma pirâmide de 62 metros de altura e 25 andares. O projeto, que abriga uma sala de ópera, uma universidade, um museu e escritórios, é do arquiteto inglês Norman Foster, criador da torre Gherkin (aquela que parece um ovo azul), em Londres, e da cúpula de vidro do Parlamento alemão, em Berlim. Impressiona a rapidez com que a pirâmide de Astana foi construída. Dos primeiros esboços à inauguração passaram-se apenas dois anos.

fonte: Revista Veja On-line

Um comentário:

teste disse...
Este comentário foi removido pelo autor.