4 de set de 2008

Afinal , o que é o tal do "downsizing"?



Downsizing é uma técnica aplicada das abordagens contemporâneas da Administração voltada a eliminar a burocracia corporativa desnecessária e focada no centro da pirâmide hierárquica. Trata-se de um projeto de racionalização planejado em todas as suas etapas, que deve estar consistente com a Planejamento estratégico do negocio e cuja meta global é construir uma organização o mais eficiente e capaz possível, privilegiando práticas que mantenham a organização mais enxuta possível.

A curto prazo envolve demissões, achatamento da estrutura organizacional, reestruturação, redução de custos, e racionalização.

A longo prazo revitaliza a empresa com a expansão do seu mercado, desenvolve melhores produtos e serviços, melhora a moral dos funcionários, moderniza a empresa e principalmente, a mantêm enxuta, de forma que a burocracia não venha a se instalar novamente, uma vez amenizadas as pressões.

O downsizing requer um projeto de racionalização planejado e de acordo com a visão estratégica dos negócios, as metas globais da organização e a partir da definição clara de seus objetivos.

Um texto de Max Gehringer, explica de maneira clara e simples, e com o requinte do seu estilo de explicar um determinado assunto, publicado na VOCÊ S/A.

Os brasileiros andavam muito preocupados porque as empresas só falavam em reduzir, encolher, diminuir, cortar. Até que o termo downsizing entrou na moda e tudo mudou: nunca mais as empresas mencionaram o palavrão "corte". É bem verdade que em inglês to size down, expressão verbal que deu origem a downsizing, significa reduzir, encolher, diminuir, cortar. Mas, convenhamos, dá mais status ao corte e assusta menos.

Em maio do ano passado, foi inaugurado um grande empreendimento em São Paulo. Na agenda do evento, havia uma cópia do programa do Jô Soares, batizado de "Jô Onze e Meia da Manhã". Como de praxe, o Jô (que estava lá de verdade) soltava perguntas inteligentes e os entrevistados tentavam parecer tão inteligentes quanto. A platéia era toda composta por empresários e executivos, gente acostumada a uma linguagem própria, a dos jargões corporativos. Eu fui um dos entrevistados. Lá pelas tantas o Jô me pediu para explicar melhor o que era downsizing, palavra que ele ouvia a torto e a direito quando conversava com executivos. Como o evento havia começado com mais de uma hora de atraso e a platéia já mostrava evidentes sinais de preocupação - ouvia-se o ronco, entre outras coisas, dos estômagos -, achei que seria prudente evitar uma longa dissertação sobre o tema. Tentei então aliar a teoria específica às aplicações táticas, estratégicas e multifuncionais.

Combinamos um exercício, uma espécie de downsizing musical. O Jô pediu para o seu Quinteto Onze e Meia tocar uma música. Meio minuto depois, pediu para o contrabaixista parar. Ele parou, e a platéia começou a rir, porque o som do conjunto continuava exatamente igual. Aí parou o guitarrista. Depois o saxofonista. E finalmente o baterista. Ficou só o tecladista, fazendo incríveis estrepolias e tentando manter sozinho o nível do espetáculo.

A música não era mais a mesma, mas continuava perfeitamente audível e própria para o consumo dos tímpanos presentes.

As conclusões altamente educativas dessas piruetas melódicas, considerando-se que o Quinteto poderia ser percebido como um microcosmos empresarial, foram as seguintes:

* Num downsizing, o primeiro corte não afeta o desempenho global.
* Os cortes seguintes começam a ter algum efeito no produto final, mas só quem é muito antenado percebe. E, mesmo assim, em pouco tempo todos se acostumam.
* Os que são poupados redobram suas energias e se esforçam cada vez mais para preencher as lacunas deixadas pelos que vão saindo.

Outra conclusão interessante - esta pós-evento - é que na Globo o Jô deve ter uma verba bem mais gorda do que a que tinha no SBT. Aí poderia cair na tentação de criar uma Orquestra Sinfônica Onze e Meia, incluindo oboés, fagotes e outros instrumentos que só as megaempresas podem se dar ao luxo de ter. Só que, um ano depois, a Superintendente da Globo iria chamar o Jô para um papo meio sério:

- Jô, precisamos conversar. O orçamento do teu programa anda estourando. O retorno está bem menor do que a direção previa.

E o Jô ajeitaria os óculos e diria, com ar de executivo atualizado com as novas tendências:

- Deixa comigo, que de tecnicismo eu entendo. Vamos operacionalizar um downsizing."

E Isso é Downsizing...

Nenhum comentário: