5 de set de 2008

Sucessão Empresarial - Os aprendizes de Trump


RETRATO DE FAMÍLIA: o bilionário Donald Trump ao lado dos filhos Ivanka, Eric e Don Jr. Os três já trabalham nas empresas do pai

Como o magnata Donald Trump está preparando os seus filhos para comandarem seu império de imóveis, hotéis e cassinos

VOCÊ ESTÁ DEMITIDO! É ASSIM QUE DONALD TRUMP, O FAMOSO bilionário do setor de construções, dispensa os participantes de seu reality show O Aprendiz.

Conhecido na América como The Donald, o magnata, com uma fortuna pessoal de US$ 3 bilhões, convive diariamente com três figuras que dificilmente mandará para a rua: seus filhos. Há tempos Trump prepara Don Jr., de 30 anos, Ivanka, de 26, e Eric, de 24, para que eles perpetuem o nome Trump como uma grife global. Oportunidades não faltam. A empresa, que começou com Fred Trump (1905-1999), pai de Donald Trump, em 1920, é hoje um conglomerado que reúne edifícios (25 só na cidade de Nova York), hotéis, cassinos, campos de golfe e diversas empreitadas à parte, como uma agência de modelos, uma marca de vodka e de água e até uma universidade online. "Estou aprendendo com o melhor", disse à DINHEIRO Eric Trump, um dos filhos do magnata, de seu escritório localizado na Trump Tower, um imponente prédio na Quinta Avenida, no coração de Manhattan. Eric atualmente ocupa a vice-presidência das Organizações Trump e tem passado por uma espécie de prova de fogo ao lado dos irmãos Don Jr. e Ivanka. Os três têm pela frente a missão de tocar a companhia e, mais do que isso, conseguir manter a aura de sucesso da marca Trump - muito alimentada por Donald Trump, quase um pop star do mundo dos negócios.
Os três pupilos, todos do primeiro casamento, com a ex-esquiadora e modelo Ivana Trump, ocupam o mesmo cargo de vice-presidentes-executivos para desenvolvimento e aquisições. Na corrida pelo comando, trabalham arduamente. Chegam à Trump Tower todos os dias antes das 8 horas da manhã e saem por volta das 10 horas da noite. Atualmente, as Organizações Trump estão envolvidas em mais de 70 projetos no mundo, a maioria na área hoteleira na América Central, em países como México e Caribe. Isso, por enquanto. Os Trump anunciaram que estão em busca de mais oportunidades. "Certamente queremos fazer negócios na América do Sul. Porém, somos muito seletivos ao entrar em um país, sobretudo em um mercado decisivo como o Brasil", explica Eric Trump. Além disso, há planos no Oriente. No mês passado começaram a vender apartamentos na Dubai Tower, o primeiro projeto no Golfo Pérsico, e Don Jr. pretende criar um fundo de US$ 1 bilhão para atender à demanda por casas luxuosas na Índia. Dos três, Don Jr. é o que está na empresa há mais tempo. Começou aos 13 anos negócios da família como recepcionista no Castelo Trump, em New Jersey. Ganhava um salário mínimo. Mais tarde, na faculdade, passou por uma fase de rebeldia, com várias noites de bebedeiras, o que fez todos duvidarem de que um dia voltaria a trabalhar com o pai. Em 2003, Don decidiu reassumir seu posto de sucessor. Com grande estilo, é bom frisar.

Em 2004, quando propôs casamento a sua então namorada, a modelo Vanessa Haydon, o pedido foi feito em um shopping, em frente de dezenas de fotógrafos. E assim, mais uma vez, os Trump viraram manchete de jornal.
A mídia sempre acompanhou a vida dos Trump. Quando Donald e Ivana se separaram, em 1992, o escândalo conjugal perdurou nos tablóides por três meses consecutivos. Após este período, o bilionário ainda se casou duas outras vezes e teve outros dois filhos. Tiffany, com 14 anos, de sua união com a modelo Marla Maples, e o pequeno Barron William Trump, de dois anos, de seu terceiro casamento, com a eslovena Melania Knauss. "Não dá para comparar os filhos que trabalham com ele com os outros, pois há uma grande diferença de idade. Eu, conhecendo ele, diria que ele não vai deixar a empresa tão cedo", resume Ricardo Bellino, o empresário brasileiro que negociou com Trump a construção de um campo de golfe de luxo em São Paulo - que acabou não vingando. Apesar disso, Bellino concorda que Trump já divide as responsabilidades com os filhos. "A Ivanka já está substituindo Donald na questão da imagem do grupo."

Conhecida por um estilo glamouroso, a bela Ivanka começou a trabalhar como modelo aos 16 anos. Após uma carreira de sucesso, atualmente só aparece em anúncios de produtos Trump. Ela está nos outdoors de Nova York anunciando o novo edifício de apartamentos no bairro do Soho. Ivanka e Eric se aproximaram muito na ocasião do divórcio dos pais. Foram tempos difíceis. Na mesma época, Donald Trump chegaria a decretar falência em seus negócios, devido a complicações na construção do Trump Taj Mahal.
Eric, por sua vez, começou há dois anos na empresa e é o mais articulado dos três. Com o tempo, a maré mudou e em 2005 as finanças das Organizações Trump conseguiram se recuperar por completo. A chegada dos três jovens executivos imprime um novo ritmo. Com eles, há fôlego para projetos ousados, com maior tecnologia e de arquitetura mais moderna. "O único problema, no caso dos filhos do Trump, é a impossibilidade de se transferir por DNA o carisma que Donald sabe utilizar. Pode ser que não agrade a todos, mas funciona", opina José Roberto Martins, consultor de marcas da Global Brands.
fonte: Isto é Dinheiro - 29/08/2008 - por CAROLINA GUERRA

Nenhum comentário: