10 de out de 2008

Sustentabilidade: Prédio totalmente aquecido sem emissão de (CO2)


foto: Painéis solares na cobertura e na fachada se encarregam de transformar luz solar em energia elétrica e de aquecer a água

Localizado na cidade de Freiburg, no extremo Oeste da Alemanha, o SIC concentra 45 empresas que trabalham de forma independente para o desenvolvimento de soluções sustentáveis para edificações, mas com possibilidade de promover parcerias para o desenvolvimento de projetos conjuntos. É o que se chama de planejamento integral, o mesmo que pautou o desenvolvimento do próprio SIC e que, por isso, o torna um case de sustentabilidade.

Nessa forma integrada de concepção, projetistas da empresa contratante trabalham em conjunto com engenheiros e arquitetos desde o começo, pautados por conceitos gerais que envolvem ecologia, arquitetura e suprimento de energia. Para reduzir os gastos com aquecimento, resfriamento e ventilação da edificação é promovido um planejamento sistemático do corpo do edifício, sua exposição, sombreamento e proporção de vidros na fachada. Além dos benefícios ambientais, da redução de custos de implantação e de operação, o prédio é banhado por luz natural, ar fresco e se adapta às temperaturas externas.
O conceito energético do SIC é pautado pela viabilidade financeira. "É uma instituição privada e deve, por ele mesmo, ser economicamente viável", segundo a brochura de divulgação técnica da instituição. Em seus 14 mil m², foram realizados, por meio do plano integral, o ajuste ideal de cada elemento, como produção de água quente por aquecimento solar, geração de energia com painéis fotovoltaicos na cobertura e na fachada, energia solar, ventilação e resfriamento noturno no verão. Além disso, promoveram melhorias nos aspectos de insolação, no sombreamento e ganhos, no inverno, com luz solar direta. A energia utilizada na edificação provém, exclusivamente, de fontes renováveis.

Por meio de acordos contratuais, o SIC financiou a instalação de um sistema para aproveitamento de calor. O calor é reaproveitado a partir da tubulação de aquecimento da central de co-geração do hospital universitário vizinho, esta movida por combustível fóssil e que corre pelo terreno do SIC. Dessa maneira, o suprimento de calor da edificação não é apenas livre de CO2, mas de qualquer tipo de emissão, pois esse sistema de reaproveitamento gera até mais energia do que a edificação necessita.

Para diminuir a demanda energética, as paredes exteriores têm 20 cm de espessura e o telhado conta com isolamento térmico. A luz natural foi priorizada para iluminação dos ambientes e a regulagem de temperatura é sensitiva e individual para cada unidade. Durante as noites de verão, o ar penetra as paredes exteriores para resfriar naturalmente o ambiente. O resfriamento é natural também para o auditório e a sala de espera, para os quais uma sonda aprofunda-se a 80 m na terra para resfriar a água que alimenta o sistema de climatização. A produção de água quente é feita completamente pelos coletores solares. Painéis fotovoltaicos nas fachadas e na cobertura, associados ao suprimento oriundo da usina de co-geração de Freiburg, respondem por toda a demanda de energia elétrica.

Dentre as vantagens do planejamento integral observadas pelos idealizadores do Solar Info Center, algumas extrapolam os pontos financeiros mensuráveis. Pontuam os conceitos energéticos de climatização amigáveis ao meio ambiente: condições de trabalho ideais, com baixos custos de operação para os usuários, alto nível de satisfação dos inquilinos, com conseqüente baixa rotatividade para o operador e, para o investidor, agregação sustentável de valor, com baixos custos decorrentes.

O conceito preconizado pelo SIC será, ainda, expandido com a criação de outras unidades, uma no Cazaquistão e outra em Cingapura. Esta deverá se tornar a sede da Aren-Asia (Asia Renewable Energy and Energy Efficiency Network, ou Energia Renovável da Ásia e Rede de Eficiência Energética, na tradução livre). Atenderá todo o Sul da Ásia com a pesquisa e implantação de soluções nas áreas de energias renováveis e eficiência energética.

LEIA MAIS:

Nenhum comentário: