7 de fev de 2009

Ex- Sede do Bank Boston - São Paulo

SOM - Skidmore, Owings & Merril LLP


O grande diferencial do projeto, é a utilização em grande escala do aço inoxidável na fachada e detalhes internos, em caixilhos, marquise, guaritas, colunas e portas. Somente a entrada do prédio conta com 15 toneladas do metal. A aplicação de inox em vários pontos da obra foi uma exigência do escritório de arquitetura SOM - Skidmore, Owings & Merril LLP - em razão de sua beleza e durabilidade: o aço inox consegue resistir a ação dos raios ultravioletas e ao ambiente poluído das grandes metrópoles.A fachada possui módulos de caixilhos de 4,30m de comprimento por 1,05 ou 1,50m de largura, recobertos com aço inox em toda a face externa do edifício. No total uma área de cerca de 22.000m².


O encaixe entre os módulos é perfeito e a fixação feita por meio de parafusos do mesmo material para não haver contaminação.



A maior parte do fornecimento ficou sob responsabilidade da Acesita, que forneceu as chapas de Inox AISI 316, com acabamento "mirror finish" e os tubos também AISI 316.Entretanto o projeto contou também com placas decorativas importadas da Inglaterra, pois ainda não tem similares no Brasil. Os caixilhos foram montados numa "fábrica" montada na obra, utilizando centro de usinagem de última geração importado pela Algrad (empresa contratada para realizar os trabalhos de fachada), especialmente para este projeto, bem como a colocação de vidros, isolantes e acabamento interno e externo em aço inox, que já chegaram em obra nos formatos pré definidos em projeto. Depois de montado no subsolo da obra, o material em forma de módulos era içado e instalado no local, possibilitando uma rapidez maior de execução.Como a beleza era uma questão primordial no projeto, as peças receberam filme de proteção de polietileno UV, para não haver riscos na hora do manuseio. Todos os caixilhos e painéis decorativos contaram com essa proteção de fábrica, retirada momentos antes da instalação.


Também foi instalada no subsolo uma central de corte e dobra, no entanto, a implantação dessa microindústria não foi considerado o ponto mais complicado, e sim a soldagem dos três quilômetros de tubos de três polegadas da fachada. Outro detalhe que exigiu ainda mais esforços foi o desenho dados pelos arquitetos à marquise, que possui grande interface de elementos, dificultando a execução do trabalho. A forma geométrica da marquise conta com vários pontos curvos, o que exigiu a presença da prensa dobradeira e da guilhotina.


Foram diversos os processos construtivos utilizados para viabilizar o andamento desta obra. A estrutura é de concreto, as escadas internas foram executadas em estrutura metálica, mais leve e com montagem mais fácil. Para atender à futuras necessidades de alterações de layout a solução foi o uso do gesso acartonado na maior parte das paredes internas. Além disso, a escolha do material também se deu por sua leveza quando comparado aos sistemas tradicionais de execução das alvenarias, com blocos de concreto ou cerâmicos e revestimento em argamassa. Utilizando-se do vão livre de 21 metros, o projeto foi baseado na disposição das estações de trabalho, previamente adquiridas.As fachadas contem caixilhos com vidros duplos insulados. Esses vidros receberam um tratamento que confere baixa emissividade (low-E), que, além de proteger das radiações diretas, filtra a luz natural difusa para o interior do edifício. Ao todo a torre de 140m de altura utiliza 18 tipos diferentes de vidro, que correspondem às necessidades de segurança e isolamento termoacústico. Este edifício é um exemplo das múltiplas combinações possíveis para obter os resultados esperados: o conforto térmico, é definido pela aplicação de vidro insulado com 25mm de espessura total, com face externa em low-E de 6 mm, câmara de ar com 13mm e vidro float transparente também de 6mm. Nas guaritas o vidro escolhido foi o laminado com resina liquida, à prova de balas.


Ao todo são 28 andares, além do heliponto e três subsolos, num total de 40.000m2 de área construída.No térreo se localizam as áreas públicas: jardim, café, auditório e agência bancária. O espaço cultural BankBoston, está situado na ala direita e compreende um auditório para 270 pessoas, um jardim para exposições de esculturas ao ar livre e um hall para exposições de artes plásticas.Para o atendimento aos funcionários do banco e das empresas sediadas nos últimos 5 andares, existe um restaurante com capacidade para 500 pessoas, localizado no primeiro andar. Um outro restaurante vip, no 25º andar, atende à diretoria, que ocupa o 18º andar.
fonte: www.metálica.com.br

Um comentário:

Marcelo Abrigatto Carvalho disse...

este prédio é AAA ? hj está alugado para Nestlé por aproximadamente R$ 2.500.000,00 a.m.
abs,
Marcelo - consultor
(11) 9938-0036